Publicado em Seriados

Você

Título Original: You

Direção: Sera Gamble e Greg Berlanti

Ano: 2018

Nº de Episódios: 10

Categoria: Drama, Suspense, Romance

Joe (Penn Badgley – A Mentira) tem um crush por Beck (Elizabeth Lail – Once Upon a Time) no exato momento em que ela põe os pés na livraria que ele trabalha. Aparentemente Beck também pode ter se interessado por ele ou só estava sendo simpática. Mas, isso não importa, pois para Joe um pequeno flerte já é o suficiente e passa a investigá-la desde então.

Xeretar as redes sociais de outra pessoa, hoje é dia não quer dizer muita coisa, mas o fato dele descobrir onde ela mora e espioná-la de longe, invadir seu apartamento quando ela não está e furtar itens pessoais como calcinha e blusa, entre outras coisas que ele faz já no primeiro episódio, é mesmo muito insano. Atitudes que se pararmos para analisar, foram desnecessárias, pois basta eles se reencontrarem para percebermos que, deixando as coisas rolarem naturalmente, ele já teria chances com ela.

Apesar da série abordar relacionamento abusivo e psicopatia, acabamos criando uma certa empatia pelo protagonista, pois, além de sermos conduzidos pela sua perspectiva das coisas (com exceção do episódio 4 em que é mesclado a perspectiva de Beck também), Joe não é um monstro 24 horas. Na verdade, assim como qualquer ser humano, ele tem qualidades e defeitos e suas qualidades são notáveis. Com o tempo, chega até a ser decepcionante que um homem tão dedicado e romântico como ele, possa ter esse outro lado sombrio.

É interessante estudarmos como a pessoa psicopata pensa. Pois, Joe não vê as coisas que faz com maus olhos, de acordo com a educação que teve (que vamos descobrindo no decorrer da série), qualquer ato ruim pode ser justificável se for praticado por amor. Não tem aqueles românticos incorrigíveis que dizem: “Eu mataria e morreria por você?” Geralmente isso é dito como força de expressão, uma singela metáfora de que você faria tudo por aquela pessoa. Mas Joe segue isso ao pé da letra.

Eu recomendo a série por any motivos. Primeiro que é um tema super relevante, precisamos aprender a tomar cuidado com os “príncipes” que encontramos por aí. Segundo que a trama é envolvente, temos ótimas atuações, cenas fantásticas, mesclando um pouco de tudo, desde suspense, romance, até mesmo humor.

Sem contar o elenco. Além do Penn Badgley que nos conquistou desde o seu personagem em Gossip Girl, também temos Shay Mitchell, uma das protagonistas de Pretty Little Liars como Peach, melhor amiga de Beck. Então, aproveita que o fim de semana está aí, faz aquela sessão pipoca em casa e depois vem aqui me contar o que achou da série. Que tal? 😉

TRILHA SONORA

Maravilhosa a trilha sonora! Pena que não consegui encontrar duas músicas. 😥 Uma que toca no Episódio 4, quando Beck aparece de surpresa no apê de Joe e começam a se beijar; e outra do Episódio 8, quando ambos estão ajudando na mudança de Ethan. Se alguém aí descobrir me conta nos comentários depois??

As demais que gostei, foram:

EPISÓDIO 1

Nelson Can – “Break Down Your Wall” (Quando Joe avalia que Beck tem péssimo gosto para amigas)

Rob Simonsen – “Night Drive” (Quando Joe flagra Beck se masturbando)

EPISÓDIO 2

Lighspeed Champion – “He’s The Great Imposter” (No início do episódio, quando Joe amanhece feliz)

EPISÓDIO 3

LEISURE – “Got It Bad” (Quando Beck entra no carro de Joe)

EPISÓDIO 8

POWERS – “Heavy” (Após Joe procurar e não encontrar mais informações de Beck nas redes sociais)

Ben Alessi – “Lose It” (Quando se reencontram e transam várias vezes em dias alternados)

“É um sentimento horrível. Saber que as coisas deram errado e que não tem nada que você possa fazer para mudar.” Joe Goldberg (Episódio 7)

Publicado em Cinema

A Noite da Virada

Direção: Fábio Mendonça

Ano: 2014

Categoria: Nacional, Comédia

Tudo bem que a virada do ano já passou, mas não podia deixar de fazer uma resenha deste filme hilário, baseado na peça: “O Banheiro” de Pedro Vicente, que assisti repetidas vezes em 2018.

Ana (Júlia Rabello – Porta dos Fundos) está prestes a dar uma festa de Réveillon em sua casa, quando, de repente, faltando cinco minutos para a chegada dos convidados, seu marido, Duda (Paulo Tiefenthaler – O Roubo da Taça), resolve lhe dar o fora sem mais nem menos. E o que era para ser uma noite incrível, se transforma num verdadeiro caos, já que outras coisas veem à tona (não farei spoiler) e no final das contas, o término do seu relacionamento é o menor dos problemas.

O filme não tem nenhuma história mirabolante, muitos até dirão que é filminho de sessão da tarde, mas, é uma comédia gostosa que dá para divertir. E o que mais gostei aqui são as atuações e como as histórias de cada personagem se interligam uma com a outra. Então falarei sobre cada um deles, pela minha detalhada perspectiva.

Vamos começar por Ana e Duda, o casal protagonista. Já começa engraçado ao percebermos a incompatibilidade entre os dois, pois Duda é horroroso (sem ofensas ao ator), enquanto Ana é areia demais para o seu caminhãozinho. Loira, linda, olhos verdes e maravilhosa é ironicamente a que leva um pé na bunda rs. E a forma como Duda termina com ela? Ele dá tantos rodeios falando nada com nada, que da primeira vez que assisti, até pensei que eu não estivesse prestando atenção direito, mas quando vi, nem Ana estava entendendo o que ele queria dizer. 😂

Sofia conversando com os maconheiros da festa

E o que dizer de Sofia (Martha Nowill – Vermelho Russo), irmã de Ana?? É a segunda personagem mais engraçada do filme! Louquissíma, desbocada e desaforada. Queria que ela existisse e fosse minha amiga!! 😬

Aliás, aproveitando o gancho da imagem acima, em que Sofia interage com André (Juliano Enrico – Copa de Elite) – o que beija melhor – e Matias (Daniel Furlan – Uma Quase Dupla) – o mais pegador -, gostaria de falar desses dois penetras da festa. Simplesmente amei eles! ❤️ Engraçados de um jeito espontâneo. Será que todo maconheiro é assim? 😅

da esquerda para a direita: personagens Matias e André

Os amigos de Ana, Alê (Luana Martau – Tá No Ar) e Rica (João Vicente de Castro – Rock Story) também são hilários. Aquele típico casal “curtição” que só quer saber de sexo, drogas e rock’n roll. Como não rir das taradices de Alê e das neuroses de Rica? Coitado. Ele passa o filme inteiro com um fardo nas costas (novamente não farei spoiler) enquanto Alê só quer saber de transar. 😁

Contracenando em combate com o casal anfitrião, temos os vizinhos: Mario (Marcos Palmeira – Os Homens São de Marte e é Pra Lá Que Eu Vou) e Rosa (Luana Piovani – O Homem Perfeito). Mario, um homem com TOC extremamente chato (pelo menos não durante o filme inteiro) e Rosa, uma esposinha submissa, sem graça e sem personalidade. Chega a ser ridículo seu envolvimento com outro personagem. A propósito, achei bem ruinzinha a atuação da Luana neste filme. Até eu que sou atriz iniciante teria atuado bem melhor. (Sorry Lu!)

Um ator que ressurgiu das cinzas e que inclusive foi o primeiro a entrar em cena logo quando o filme começa é o Taumaturgo Ferreira (Ilha de Ferro), interpretando o traficante dealer Paulo. Sério gente, quase falei para ele: “Quem é vivo sempre aparece, né?” quando o vi na tela rs. Sua atuação é espetacular! 👏🏻 Não que eu conheça algum traficante para poder comparar, mas, pra mim, ele foi um legítimo fora da lei, cuspido e escarrado.

Por último, mas não menos importante, deixei o melhor para o final. Lembram quando citei lá em cima que a personagem Sofia era a segunda mais engraçada? Isso porquê ela só perde para o rei da comédia: Rodrigo Sant’ Anna (Zorra Total). Ele está ESTUPENDO como Fumaça!!! O cara passa o filme inteiro dentro de um banheiro químico, sem muitas falas, mas com uma presença h-i-l-a-r-i-a-n-t-e! Eu ria toda vez que ele entrava em cena! 😂😂

Então é isso gente, apesar desse filme não ter boas críticas, peço que lhe deem uma chance, pois é uma comédia muito boa, tanto que como falei no início do post, assisti inúmeras vezes ano passado e não tô exagerando não rs. Fiz todo mundo que conheço assistir também rs. Recomendo então que assistam e que venham comentar aqui depois o que acharam. Combinado? 😃

TRILHA SONORA

Como sabem, eu sempre falo da trilha sonora dos filmes, mas, deste, sinto desapontá-los, não gostei de nenhuma música o suficiente para listar. Com exceção de “Summer” do Calvin Harris que toca na cena final, quando todos vão para a mansão de Mario.

“Você acha realmente que eu passaria nos meus lábios algo que esteve na sua boca?” Sofia (Na maior cara de pau, após usar o batom de Rosa escondido)

Publicado em Seriados

Pretty Little Liars – Primeira Temporada

Direção: I. Marlene King

Ano: 2010

Nº de Episódios: 22

Categoria: Adolescente, Drama, Suspense

ATENÇÃO

HAVERÁ SPOILERS!

Ahhhh como eu tava louca pra escrever sobre essa série!! Mesmo que um pouco (só um pouco) atrasada, mesmo que já tenha terminado todas as suas sete (isso mesmo, sete!) temporadas e mesmo que tenha estreado há quase dez anos. 😬

Se você nunca assistiu Pretty Little Liars, de fato não sabe o que está perdendo. Repleta de mistérios, enigmas e muitos amores (só na primeira temporada, as protagonistas – com exceção de uma – se envolvem com mais de uma pessoa), a série te prende do começo ao fim.

A história já começa com um mistério eminente, quando cinco amigas estão num celeiro a noite fazendo uma festinha particular, adormecem e misteriosamente a líder delas, Alison DiLaurentis (Sasha Pieterse – Heroes), desaparece. O que parecia não ser nada demais, de repente se torna o grande x da questão, já que na cena seguinte temos um pulo no tempo e a garota continua desaparecida.

Um ano se passou e as quatro amigas que restaram, e antes eram inseparáveis, se afastaram, até que um evento muito estranho as unem novamente. Mensagens anônimas, ameaçadoras e enigmáticas de uma pessoa que assina como “A” são enviadas para cada uma delas, fazendo-as pensar que é a própria Alison tentando se comunicar. Porém, no final do primeiro episódio, o corpo da amiga é encontrado e as mensagens de A não cessam. Agora as meninas precisam desvendar dois mistérios: Quem matou Alison e quem é essa pessoa chamada “A” que sabe de todos os seus segredos.

Da esquerda para a direita, irei lhes apresentar as protagonistas e seus respectivos segredos, como um dossiê, que A sabe e se aproveita para ameaçá-las:

Emily Fields (Shay Mitchell – Você) é a mais sem graça de todas, na minha humilde opinião. O único segredo que possui é ser homossexual. Começa a primeira temporada namorando Ben (Steven Krueger – Satânico), depois namora com Maya St. Germain (Bianca Lawson – No Balanço do Amor) – que a propósito se parece demais com a cantora Rihanna – e por último tem um caso com Paige McCullers (Lindsey Shaw – Temps). É a atleta do grupo (natação) e passa o maior perrengue quando assume a sua opção sexual para todos.

Spencer Hastings (Troian Bellisario – Clara) é a minha segunda preferida. Inteligente, esperta e de personalidade forte, tem uma tendência a se envolver (escondido) com os namorados de sua irmã mais velha, Melissa (Torrey DeVitto – Army Wives). Era a única a bater de frente com Alison, o que lhe faz ser uma das suspeitas do desaparecimento da amiga posteriormente.

Só na primeira temporada passou o rodo e ficou com: Alex (Diego Boneta – Rebelde), Toby Cavanaugh (Keegan Allen – Batalha Incerta), Ian Thomas (Ryan Merriman – Premonição 3) e Wren (Julian Morris – Algo Maligno) – esses dois últimos, namorados de sua irmã -. Seus segredos basicamente são esses (beijar os boys da irmã) e plagiar um trabalho acadêmico de Melissa. Falando assim, ela até parece ser uma pessoa horrível, mas assistindo a série verão que não rs.

Aria Montgomery (Lucy Hale – Verdade Ou Desafio) é a minha preferida! ❤️ Talvez por eu já conhecê-la (e ser fã) desde “Uma História da Cinderela” ou por me conectar mais com a sua personagem sortuda que se envolve com o gatissímo Ezra Fitz (Ian Harding – Férias Frustradas de Verão) sem saber que ele seria seu professor. Seu segredo é manter o relacionamento dos dois em sigilo e, olha só que ironia, esconder da mãe que seu pai – que também é professor – fazia o mesmo com uma de suas alunas. Pelo menos Ezra é solteiro, não é mesmo?! 😜

Hanna Marin (Ashley Benson – Pixels) é a minha terceira queridinha. Vaidosa, avoada, engraçada, rebelde e leal, não tem como não gostar dela. De todas é a que mais possui segredos e a que mais se ferra no decorrer da temporada.

Além de ter furtado itens de uma loja – logo no primeiro episódio -, ainda precisa lidar com o fato de sua mãe se deitar com o policial Wilden (Bryce Johnson – Lar Doce Inferno) para livrar sua pele; posteriormente A rouba o dinheiro que sua mãe – que é gerente de um banco – pegou emprestado para quitar as dividas da casa, fazendo com que Hanna se sujeite a inúmeras chantagens para recuperar o dinheiro de volta;

É atropelada por “A” e quase morre (quase naquelas né, como se uma das protagonistas tivesse que se preocupar com isso rs), tendo como seu último segredo, esconder da mãe que está abrigando Caleb (Tyler Blackburn – Ravenswood) no porão de casa.

Hanna parte o coração de três rapazes nesta temporada, sendo eles: seu primeiro namorado Sean (Chuck Hittinger – Atormentada Aos 17), seu eterno admirador Lucas (Brendan Robinson – Pretty Dirty Secrets) e o próprio Caleb citado acima, responsável por tirar sua virgindade (inclusive trouxe esta cena mais abaixo).

E não poderia deixar de citar também: Mona Vanderwall (Janel Parrish – Para Todos Os Garotos Que Já Amei), amiga de Hanna que, antes de Alison desaparecer, era desprezada pelas cinco amigas. Uma personagem chatinha, fútil e não muito confiável.

*

Voltando a falar das cinco protagonistas, Alison, Aria, Hanna, Spencer e Emily, todas elas possuem um segredo em comum, segredo esse que as assombra até o final da temporada. Não farei spoiler do que é, mas saibam que tem a ver com a personagem Jenna Marshall (Tammin Sursok – Flicka 2).

SUSPEITOS DE MATAREM ALISON

No decorrer da primeira temporada, alguns personagens são apontados como suspeitos do desaparecimento e posteriormente da morte de Alison, como também são suspeitos de serem A (com exceção de Spencer). Sendo eles:

  • Toby Cavanaugh
  • Jenna Marshall
  • Noel Kahn
  • Ian Thomas
  • Lucas
  • Spencer Hastings

Façam suas apostas!

Mas é claro que isso não será revelado na primeira temporada. Contudo, são pecinhas deste infinito quebra-cabeça que vamos juntando para, quem sabe um dia, desvendarmos este mistério. A primeira temporada é composta por 22 episódios e encerra com uma morte, fazendo com que nossas cabeças fique ainda mais confusa e desconfiada de quem seria esse maldito(a) A.

MELHORES CENAS

Não preciso nem dizer que a primeira temporada é incrível e repleta de cenas muito boas, bem produzidas, engraçadas e etc. Porém, como só falar não é o suficiente, trouxe aqui três cenas de casais que mais me conquistaram! Será que alguma delas irá te conquistar também?? 😏

No Episódio 7 – “A Ressaca”  temos uma cena muito fofa com Spencer e Alex. Homem que sabe dançar a dois não é mesmo um charme? 😍 Eles dançam ao som de “Siempre Tu”, canção de autoria do próprio ator (que também é cantor) que interpreta Alex (Diego Boneta):

No Episódio 15 – “Se não conseguir de primeira, continue mentindo” temos uma (entre muitas outras cenas fofas) de Aria e Ezra. Ao som de Katie Herzig, “Hey Na Na” deixou a cena ainda mais engraçadinha. Confesso que deste casal foi muito difícil escolher uma cena só, pois são o meu casal preferido. Chipo eternamente!! 🤗

E no Episódio 19 – “Pessoa de Interesse” temos a primeira vez de Hanna, ao som de “Glitter in The Air” da Pink. Um marco na vida de uma mulher, não poderia deixar passar batido:

TRILHA SONORA

A trilha sonora de PLL é riquissíma! Abaixo as que mais gostei:

EPISÓDIO 1

The Pierces – Secret (Música de abertura)

3OH!3 – Don’t Trust Me (Música da primeira cena, quando elas estão no celeiro)

Colbie Caillat – I Won’t (Após a passagem de tempo)

Mozella – More Of You (Quando Aria e Ezra estão se pegando pela primeira vez)

Twirl – It Girl (Quando Hanna está no shopping provando óculos de sol)

Measure – Begin Again (Música do velório da Alison)

EPISÓDIO 2

Katie Herzig – Jack And Jill (Troca de olhares entre Aria e Ezra, após a transferência dela ser negada)

EPISÓDIO 6

St. Lola In The Fields – Hold Me (Logo quando o episódio começa e Aria está deitada na cama deprimida)

2AM Club – Make You mine (Durante o baile)

2AM Club – Let Me Down Easy (quando Aria dança com Sean no baile)

EPISÓDIO 7

Diego Boneta – Siempre Tu (Na cena em que Alex e Spencer dançam na cozinha do clube)

EPISÓDIO 8

Carolina Liar – I Got Over (Quando Hanna está mostrando para Lucas as bolsas que quer vender)

EPISÓDIO 10

Allie Moss – Dig With Me (Quando Melissa e Spencer conversam, após Melissa ter saído com Ian por incentivo da irmã)

EPISÓDIO 12

K.C. – The Money Song (Quando A está colocando as notas de dinheiro – que roubou da Hanna – dentro de um cofre de palhaço)

EPISÓDIO 14

The Rescues – We’re Ok (Música que a Aria escreve na lista de músicas para tocar no festival – mas não chega a passar no seriado -)

EPISÓDIO 15

Katie Harzig – Hey Na Na (Quando Aria vai convidar Ezra para o Museu)

EPISÓDIO 18

Mcfly – Party Girl (Flashback de uma festa do passado em que as meninas foram com um RG falso)

EPISÓDIO 19

Pink – So What (Música que Paige e Emily cantam no Karaokê)

Pink – Glitter In The Air (Quando Paige e Emily se beijam saindo do Karaokê)

EPISÓDIO 20

Madi Diaz – Ok To be Alone (Quando Aria envia uma mensagem para sua própria mãe por engano)

EPISÓDIO 22

Florence And The Machine – I’m Not Calling You a Liar (Música final desse último episódio)

“Pensamos saber quem somos, mas não sabemos. Não até algo de ruim nos acontecer. E aí, todas as coisas fúteis caem por terra e sobra apenas o que realmente somos.” Jenna Marshall (Episódio 8)

Publicado em Músicas

L.E.J.

Há alguns anos atrás, que não sei mensurar exatamente quantos, lá estava eu passando o tempo, um pouco entediada, pelo feed do Facebook, até que, de repente, me deparei com um vídeo de três mulheres cantando. Parei nelas para assistir, sem muita expectativa, e, no entanto, fui completamente fisgada. Elas cantavam um medley fantástico de várias músicas, que por acaso eu conhecia, mas com uma sonoridade única que percebia-se ser o estilo próprio delas! Fiquei encantada! ❤️

Quem são essas meninas?? São famosas?? De onde vieram?? Foram as dúvidas que imediatamente surgiram na minha cabeça. Fui atrás de mais vídeos e adivinhem só? Encontrei outro medley igualmente maravilhoso:

Como elas conseguiam cantar tão rápido em certas partes das músicas?? Pronto. Bastou dois vídeos para que eu já tivesse virado fã.

L.E.J. (Elijay) é a abreviação de seus nomes: Lucie Lebrun, Élisa Paris e Juliette Saumagne. São francesas e ficaram famosas justamente por produzirem vídeos como esses dois que vimos acima (anteriormente teve o Summer 2014). Élisa e Lucie são as cantoras principais (já lhes adianto que Élisa é a minha preferida ⭐️) enquanto Juliette faz o back vocal e toca violoncelo. São amigas desde a infância e todas as três nasceram em 1993 (mais novas que eu rs) no subúrbio de Paris em Saint-Denis. Até o momento possuem dois álbuns lançados, que são: En attendant l’album de 2015 e Poupées russes de 2018.

En attendant l’album

Esse álbum possui 11 faixas, sendo que 10 são covers (maravilhosos diga-se de passagem) e apenas uma composição original: “La dalle”. Confesso que fiquei muito surpresa quando descobri que todas as outras músicas eram regravações, pois, apenas “Survivor” (das Destiny’s Child), “Get Lucky” (do Daft Punk) e os medleys: “Summer 2015” e “Hip Hop Mash Up” eu já conhecia e sabia que não eram composições próprias.

Agora “Jimmy”, por exemplo, se tornou a minha música preferida deste álbum e quando fui atrás da letra, me surpreendi ao descobrir que na verdade, a canção pertence a um grupo musical franco-americano, chamado Moriarty. Até fui ouvir a versão original e adivinhem só? Não chegou nem aos pés da versão criada pelas meninas do L.EJ.! Deem uma conferida:

Outra música que também gostei bastante, é “Can’t Hold Us”, a composição original pertence a uma dupla chamada Macklemore & Ryan Lewis, e a versão original também é muito boa, num ritmo completamente diferente ao que foi gravado pelas meninas. Recomendo as duas versões!! “Hanging Tree” que faz parte da trilha sonora de Jogos Vorazes, também tem seu cover em En attendant l’album, entre outros. E para fechar as minhas considerações sobre esse álbum, deixo vocês com o videoclipe de “La dalle”:

 

Agora vamos falar de Poupées russes

Poupées russes

Agora sim um álbum totalmente delas, com composições próprias em francês!!! Possui 12 faixas e até o momento há dois singles sendo trabalhados: “La Nuit” e “Acrobates”. Abaixo, o videoclipe mais recente de 6 meses atrás:

Deste álbum, a minha preferida mesmo é: “Par Ego” que é apesar de ser a terceira faixa, foi a primeira a me fisgar:

Além dessas, também podemos destacar “Poupées russes” – título do álbum e primeira faixa do CD – e “Le verbe” que é, nada mais, nada menos que, a segunda composição original delas, depois de “La dalle”.

Enfim, é isso people. Deixo vocês com essas musas talentosíssimas. Se alguém aí, assim como eu, também já aderiu ao Spotify, é só buscar pela sigla L.E.J. e dar play! Vocês também vão se apaixonar! ❤️

Publicado em Cinema

Quando te Conheci

Título Original: Equals

Direção: Drake Doremus

Ano: 2015

Categoria: Ficção científica, Drama e Romance

Esse filme me lembrou demais a série Black Mirror! Preparem-se para uma ficção extremamente utópica!

Em uma sociedade completamente avançada, os seres humanos não possuem mais sentimentos, nem emoções. Vivem apenas para o trabalho, como se fossem robôs, executando suas tarefas diariamente sem apresentarem nenhuma insatisfação com aquilo. Se apaixonar ou demonstrar qualquer tipo de emoção é sinônimo de doença. Isso mesmo, uma doença chamada S.OS. (Switched On Syndrome) que é vista naquela sociedade como uma AIDS, uma doença grave em que os infectados são vistos com maus olhos.

Silas (Nicholas Hoult – Castelo de Areia) é acometido por esta “doença” e passa a sentir sensações, que antes lhe eram desconhecidas, por sua colega de trabalho Nia (Kristen Stewart – Crepúsculo). No decorrer da trama, ele percebe que, apesar de Nia disfarçar muito bem, ela também está infectada pela mesma doença e começam então a se encontrarem as escondidas.

É mesmo muito louco, criarem uma história em que amar outra pessoa seja visto como uma coisa ruim e mortal, quando tudo o que precisamos no mundo é de mais amor entre as pessoas. Mas de fato uma coisa é verdade: pessoas emocionais tendem a falhar muito mais que uma pessoa racional e é essa lógica que aplicam na história. Eu fiquei sem palavras com esse filme, uma ficção realmente interessante. 👏🏻

A composição da sua trilha sonora, não possui nenhuma música cantada, apenas melodias sutis, o que lhe atribuiu um ar ainda mais futurista e melancólico. Kristen, com suas olheiras, nos deixa a dúvida se é uma característica da personagem ou dela própria rs. A cura para a doença do amor aparece em um momento inoportuno, nos deixando curiosos e apreensivos de como será o desfecho desse casal após a vacina. Vale a pena assistir! #temnaNetflix